Mundial de Clubes - Masculino

  • Crédito: Reprodução/FIVB

    Equipe mineira manteve a cabeça erguida com o vice-campeonato.

Sada/Cruzeiro é vice-campeão mundial

Em Betim, equipe lutou, mas perdeu para o Lube Civitanova por 3 sets a 1 neste domingo (8)
Por: Bruno - 08/12/2019 19:09:08

 

O Sada/Cruzeiro teve que adiar o sonho do tetracampeonato mundial. Neste domingo (8), a equipe brasileira perdeu a decisão do Mundial de Clubes, disputado em Betim (MG). A Raposa foi derrotada pela “seleção mundial” do Lube Civitanova, que comemora seu primeiro título após dois vice-campeonatos seguidos. 

 

Os italianos, onde jogam os brasileiros Bruninho e Leal, venceram no Ginásio Divino Braga por 3 sets a 1 - parciais de 25/23, 19/25, 31/29 e 25/21, num jogo emocionante. Aos brasileiros, restam sair de cabeça erguida e fortalecidos para o restante da temporada. Pois mesmo com o elenco em fase de reestruturação, conseguiu fazer frente aos grandes do vôlei mundial. 

 

O jogo 

Na primeira parcial, o jogo foi muito brigado, mas o saque desequilibrou a favor do Civitanova. A reação veio no segundo set, com destaque para o capitão Filipe no saque e Isac no bloqueio. O equilíbrio do início ao fim foi a tônica do terceiro set: o Cruzeiro teve três set points a seu favor, mas um ace de Leal contra-ataque mortal no fim deu a parcial para o Lube. 

 

E no quarto set, que foi o decisivo, o time brasileiro ainda segurou o equilíbrio até a metade, mas os italianos deram o sprint na pontuação, fechando a parcial e o jogo. O argentino Facundo Conte, do Cruzeiro, foi eleito um dos ponteiros na seleção do torneio. No jogo, ele teve 21 acertos, sendo o maior pontuador. Pelos italianos, Leal e Juantorena marcaram 20 cada um. Ao fim do jogo, Conte fez a sua análise.

  

 

O que disseram os outros jogadores

O cruzeirense Evandro, eleito o melhor oposto, marcou 12 vezes. Ao fim do jogo, ele comentou atuação em quadra. “Fizemos um bom jogo, conseguimos fazer frente a eles no primeiro set, no segundo nós jogamos muito bem, no terceiro nós tínhamos tudo pra fechar, acabamos perdendo em detalhe, e no quarto set eles jogaram soltos”, declarou. 

“O nosso time foi até o limite, cansou um pouco no final, mas foi bonito jogar hoje, foi gostoso. Eu estou triste sim, mas eu não saio daqui de cabeça baixa. Estou triste porque eu sei que dava pra gente ter ganhado. Não foi nada impossível. E estou feliz pela doação de todo mundo, pelo campeonato que a gente fez e pelo que a gente apresentou”, completou Evandro.

 

O líbero Lukinha liderou a defesa em toda a competição. Com um campeonato brilhante, ele abordou o saldo positivo do time na competição. “Saio um pouco triste pela derrota, claro, porque todo jogador quer sempre vencer. Mas vendo todo o contexto, não há como negar que este Mundial foi grandioso para nós. A gente ainda não sabia onde poderíamos chegar”, disse.

 

“Conseguimos o entrosamento ideal para crescer cada vez mais e saímos do Mundial em um nível muito alto para conquistar muito mais. No todo, foi muito bom, valeu muito a pena. E quero também agradecer a torcida, que foi fantástica. A energia que vem da arquibancada é muito forte. Foi a primeira vez que passei por isso e foi fantástico. Está todo mundo de parabéns”, complementou.

 

Fernando Cachopa terminou nas estatísticas do Mundial como o melhor levantador. “A gente não vinha fazendo uma Superliga tão boa, e nesse Mundial nós fomos obrigados a jogar em um nível muito alto, e acho que isso demonstrou que temos capacidade de jogar neste nível. E com isso a gente conseguiu dar um passo à frente para o decorrer da temporada”, afirmou. 

 

“Nesta semana nós crescemos muito como equipe, evoluímos muito no coletivo e acho que estamos no caminho certo, formando um bom grupo e todos mirando o mesmo objetivo. Se continuarmos com essa mentalidade e com muito trabalho, tenho certeza que podemos conquistar várias coisas nesta temporada”, finalizou Cachopa.

 

Complimenti per il titolo, Civitanova

Do lado da equipe campeã, a festa era grande. Afinal, depois de bater na trave nas duas últimas vezes, o Lube Civitanova finalmente conseguiu o título do Mundial. E para não dizer que o alegria não é também brasileira, a dupla Bruninho/Leal teve uma grande atuação. Ao ponto de Bruninho ser eleito o MVP do torneio.

 

E Leal ficar com o “MVP moral”. Isso porque quando soube que seria premiado, Bruninho disse que não iria receber a honraria, pois para ele Leal era muito mais merecedor. “Eu não merecia ganhar o MVP. O Leal jogou demais aqui. Não seria justo eu ficar com o prêmio. Ele merece muito mais do que eu”, disse o capitão da seleção brasileira, ainda na quadra, ao site Web Vôlei. Seja com Bruninho ou com Leal, o MVP fica em boas mãos.

 

A Seleção do Campeonato

Ao fim da competição, foram escolhidos os jogadores para o time do Mundial. E do Cruzeiro, aparecem dois nomes:

 

Oposto: Evandro (Sada Cruzeiro)

Pontas: Juantorena (Civitanova) e Conte (Sada Cruzeiro)

Centrais: Volvich (Zenit Kazan) e Simon (Civitanova)

Líbero: Balaso (Civitanova)

Levantador: Bruninho (Civitanova)

 

O que resta agora

Como já foi dito, o Sada/Cruzeiro sai bastante fortalecido para o restante da temporada 2019/2020. E o time é um dos candidatos ao título na Superliga. Atualmente, a Raposa está em quarto lugar na competição nacional, com 15 pontos, três a menos que o líder EMS Taubaté Funvic. 

 

E o time celeste já volta à quadra no próximo sábado (14). O Cruzeiro vai até Santa Catarina, para a enfrentar a Apan Blumenau, no Ginásio Sebastião Cruz, o Galegão. A partida, válida pela 8ª rodada da Superliga, começa às 16h. A transmissão é do Canal Vôlei Brasil.  

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade